quinta-feira, 2 de abril de 2009

História de amor.

Gente, conheci um blog ontem através do do blog da Gra,O blog se chama Pano, Linha e agulha( http://panolinhaeagulha.blogspot.com/)e sinseramente, me apaixonei por aquele cantinho, ele emana amor e solidariedade por toda a sua página,é um blog lindo... Pois bem, lá havia um desafio que eu achei bonito de mais, é sobre a sua história de amor.A da Keli, a dona do blog, é linda e muito impressionante, daí achei legal lançar esse desafio aqui também, contando a minha e lendo a de voces que eu tenho certeza que terão muito prazer em escrevê-la também.
A minha é o seguinte:
Tudo começou em 1991, quando nos mudamos para Cataguases, eu tinha 16 anos e namorava um rapaz de 18 anos. Meu pai nos deu de Natal uma mobilete e nessa época ele estava contruindo a nossa casa em um bairro mais afastado. No caminho para a casa, tinha uma loja de materiais de contrução e nela trabalhava um rapaz muito bonitinho, moreno, alto, de olhos esverdeados, que eu e minha irmã mais velha paquerávamos mas, só de farra pois nós duas namorávamos, passávamos a metade do dia andando de mobilete em frete a tal loja só prá ver o menino. até que meu pai terminou a construção, nos mudamos e nunca mais vimos o tal funcionário da loja.
Passou oito anos e nesse tempo eu tive outros namoricos, e no ano de 1999,eu havia acabado de terminar um namoro sério de quatro anos ao qual eu já estava desgastada pelo ciúme, pressão, chantagem emocional, perseguição, enfim tudo que alguém pode fazer para privar uma pessoa de viver, esse meu namorado fazia, chegava ao ponto dele ir prá faculdade comigo e ficar na porta da minha sala me vigiando prá saber o que eu fazia na ausência dele.Mas enfim, terminamos e eu jurei que estava vacinada contra os homens e que Nào queria mais saber de namoro , só curtir a minha vida. Pedia a Deus prá não me apaixonar novamente e se acaso isso acontecesse, que fosse alguém maduro, honesto, de boa família, e que me aceitasse de jeito que sou, sem querer botar regras ou me privar de viver cheia de amigos, e feliz, queria alguém que fosse como eu, que gostasse pelo menos da metade das coisas que eu gosto e sinceramente achava impossível devido ao meu trauma passado.
Nessa época eu trabalhava com uma amiga que era dentista e eu era a sua auxiliar. Um belo dia deitou na cadeira, um paciente meio antipático, pois falei bom dia várias vezes e o rapaz nem me respondeu, fiquei com raiva, deixei o materia dentário em cima da mesa e saí prá não ver mais a cara do indivíduo.
Acontece que ele resolveu fazer tratamento e eu tive que voltar a sala. Logo depois de anestesiado, a dentista saiu e eu fiquei lá com ele sozinha até que ele puxou papo e começou a me fazer perguntas:
- Você é filha do sr. Ary, não é? ele perguntou.
eu respondi que sim e perguntei como ele sabia, ele me disse o meu endereço, o meu sobrenome e o número do telefone da minha casa. Fiquei espantada e com medo, como alguém que eu não conhecia sabia tanto da minha vida?
Ele me disse que há uns oito anos antes ele trabalhava em uma loja de material de contrução e que me via sempre passando de mobilete, e sabia dos meus dados pela ficha de compra que meu pai tinha na loja.
Aí caiu a ficha: É o menino Da loja que eu e a Luciana paquerávamos, fiquei sem graça e ele me disse que morava perto da minha faculdade e sempre na hora que eu passava ele ia me olhar, e eu juro que nunca percebi isso.
Bom Daí ficamos nos paquerando sempre que ele ia se tratar eu colocava a ficha dele por último, só prá ele esperar mais e eu poder paquerá-lo e bater um papinho.
Até que um dia ele se convidou prá ir lá em casa com desculpa de levar umas fotos que ele tinha tirado (ele também é fotógrafo) e sabia que eu também era apaixonada por foto. Pois ele foi e no outro dia voltou e me chamou prá sair. Passamos a tarde juntos e demos nosso primeiro beijo no horto florestal. Foi uma sensação que eu não sentia fazia muito tempo, as pernas tremeram, borboletas no estômago, enfim coisas que só sentimos na adolescência. A noite saímos novamente e na segunda semana que estávamos juntos ele me levou prá conhecer sua casa e família e por incrível que pareça a Mãe dele ainda me pergunta quais eram as minhas intençõe com o filho dela pois, Ele era rapaz prá casar e não prá passar tempo, vê se pode,era prá ser o contrário não?
Pois bem, namoramos 2 anos e uns meses, de 28 de novembro de 1999 a 10 de março de 2001 quando ficamos noivos até o dia do nosso casamento que foi em 16 de fevereiro2002. Se bem que até hoje somos namorados.
Como diz a canção: "Quem um dia irá dizer que não existe razão as coisas feitas pelo coração..."

Agora passo a bola prá voces amigas, comtem prá nós como foram as suas histórias de amor?
Estou curiosa prá saber, Beijos.

6 comentários:

Sandra disse...

Lena,

passei para deixar uma beijoca!

Volto mais tarde para ler tudinho, tá?


Beijossssssssssssssssssssssss

teresa disse...

Olá Lena! Linda a sua história de Amor! E ficamos a conhecer um pouco mais da sua vida e do seu maridão!
Tudo de bom aos dois, aproveita o fim de semana com os teus amores!
Beijocas

Sandra disse...

Lena,

passei para desejar um óptimo FDS, com muitos miminhos ...


muito giro recordar os tempos de namoro :)

Beijinhos

mafaldinha disse...

oi adorei a historia de amor,e o desafio e muito bom mas como deves calcular nao vou contar a minha historia pois nao acabou da melhor forma dai nao con tar ok? muitos beijinhos nossos para voces e k sejam sempre muito muito felizes

mamã da princesa disse...

Olá!
É sempre bem vinda no meu cantinho!
Vou passar a ser visitinha assídua do teu, posso?
Beijinhos

Graziela disse...

Linda sua historia Lena.
Eu acredito muito em Deus e acho que quando e' para ser, e'. Sua historia e' prova disso.
Que voces sejam muitos felizes e em familia agora, junto com os pequenos.
Um abraco
Gra